15
Nov 07
Dar Sangue > Porquê dar Sangue?

Como é do seu conhecimento, o sangue não se fabrica artificialmente e só o Ser Humano o pode doar. Como tal, o sangue existente nos serviços de sangue dos hospitais depende diariamente de todos que decidem dar sangue, de forma benévola e regular, partilhando um pouco da sua saúde com quem a perdeu.

Todos os dias existem doentes com anemia, doentes que vão ser submetidos a cirurgias, doentes acidentados com hemorragias, doentes oncológicos que fazem tratamento com quimioterapia, doentes transplantados e muitos outros que necessitam de fazer tratamento com componentes sanguíneos. Enquanto que um doente com anemia pode necessitar de 1 ou 2 unidades de sangue, um doente com transplante de fígado ou um doente com leucemia pode necessitar de um número bastante elevado de componentes sanguíneos.

Posso dar Sangue?

Pode dar sangue se tiver bom estado de saúde, hábitos de vida saudáveis, peso igual ou superior a 50kg e idade compreendida entre os 18 e os 65 anos.  Para uma primeira dádiva, o limite de idade é aos 60 anos. 

Os homens podem dar sangue de 3 em 3 meses (4 vezes/ano) e as mulheres de 4 em 4 meses (3 vezes/ano) sem qualquer prejuízo para si próprios. Uma unidade de sangue total representa aproximadamente 450ml. Cada pessoa tem em circulação 5 a 6 litros de sangue, dependendo da sua superfície corporal. O sangue doado é rapidamente reposto pelo nosso organismo. Não há qualquer possibilidade de contrair doenças através da dádiva de sangue, pois todo o material utilizado é estéril e descartável, usado uma única vez.


Para sua segurança não dê sangue se:  
- alguma vez utilizou drogas por via endovenosa;
- teve contactos sexuais a troco de dinheiro ou drogas;
- sendo homem ou mulher, teve contactos sexuais com múltiplos (as) parceiros(as). 


Se foi parceiro sexual de:
- qualquer dos grupos anteriores;
- seropositivo para o Vírus de Imunodeficiência Humana – VIH;
- portador crónico do Vírus da Hepatite B e Hepatite C – VHB, VHC.


 E, ainda se:
- tem história familiar de Doença de Creutzfeldt-Jakob e variante – DCJ, vDCJ;
- fez tratamento com hormona de crescimento, pituitária ou gonadotrofina de origem humana;
- fez transplante de córnea ou dura-máter;
- fez transfusão;
- tem Epilepsia, Diabetes insulino-dependente ou Hipertensão grave;
- teve Paludismo/Malária nos últimos 3 anos;
- teve parto nos últimos 12 meses;
- foi operado nos últimos 6 meses;
- fez endoscopia nos últimos 6 meses;
- fez tatuagem ou piercing nos últimos 6 meses;
- teve um novo(a) parceiro(a) sexual nos últimos 6 meses.

Como dou Sangue?

Todo o processo da dádiva demora em média 30 minutos. Relembramos que não deve dar sangue em jejum. Poderá tomar uma refeição ligeira sem álcool e sem gorduras como por exemplo uma sanduíche e um sumo. Se almoçar, deverá completar as três horas de digestão antes de efectuar a sua dádiva.

INSCRIÇÃO
Ao dirigir-se a qualquer Centro Regional de Sangue ou Hospital com serviço de colheita, será atendido por um profissional dos serviços administrativos/técnico de relações públicas que preencherá a sua ficha. É importante que se faça acompanhar pelo seu Bilhete de Identidade para que os seus dados pessoais sejam preenchidos correctamente e para que, mais tarde, receba o Cartão Nacional de Dador de Sangue.

 

 TRIAGEM CLÍNICA
Em seguida, é sempre observado por um médico. Esta triagem destina-se a avaliar o seu estado de saúde para que haja a certeza de que não será lesado pelo facto de doar sangue, nem será prejudicado o doente que receber o sangue. É importante que fale abertamente com o médico sobre a sua história clínica e os seus hábitos de vida. Toda a informação fornecida por si é confidencial. Neste processo, ser-lhe-á entregue um documento denominado “Termo de Consentimento Esclarecido para a Dádiva de Sangue”.
Este impresso será preenchido por si e pelo médico durante a triagem clínica. Neste questionário, o dador declara que leu e compreendeu toda a informação e que pôde ser esclarecido/a pelo médico sobre as dúvidas que surgiram, bem como que respondeu às questões com verdade, consciência e responsabilidade.
Ambos, médico e dador, assinam este documento. Após o questionário, avaliamos a tensão arterial e frequência cardíaca e realizamos o teste para a determinação do valor de hemoglobina, para verificar se os glóbulos vermelhos são suficientes para dar sangue, sem prejuízo para a sua saúde. Se houver alguma anomalia, poderá ser suspenso, temporária ou definitivamente, dependendo da situação. Acima de tudo é importante salvaguardarmos a saúde do dador e do doente.

COLHEITA DE SANGUE TOTAL
Uma vez aprovado para a dádiva de sangue, irá ser atendido por enfermeiros na sala de colheita.
A punção venosa é realizada de acordo com procedimentos validados, com o auxílio de um sistema de saco e agulha estéril e de utilização única. Deste modo, é conferida a máxima protecção ao dador e ao receptor. Ser-lhe-ão retirados 450 ml de sangue correspondentes a uma unidade de sangue total.

REFEIÇÃO LIGEIRA
Por fim, após a colheita de sangue, é servida uma pequena refeição que permite mais alguns minutos de convívio com a equipa que o acompanhou.
Assim, todos poderemos certificarmo-nos de que a dádiva de sangue constituiu uma experiência agradável!
publicado por SoniaGuerreiro às 16:32

Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
16
17

18
22
24

25
26
29
30


Email
ainosccguerreiro@sapo.pt
mais sobre mim
Visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO