07
Dez 06
Era uma vez um senhor muito alto que vivia numa casa grande, na Lapónia. O mobiliário da casa era especial, já que ele, para além de alto, era muito gordo, pois era muito guloso. Tinha umas barbas compridas e brancas e o seu cabelo também era branco e macio como a neve. Trajava um fato vermelho e da cabeça pendia um capuz também vermelho com um pompom branco na ponta. Era muito gentil e bondoso. Tinha uma personalidade muito forte. Gostava de ajudar as pessoas e ficava muito feliz quando via um sorriso na cara de uma criança. Chamava-se Pai Natal.

Ao lado da sua casa, tinha uma oficina, a "Oficina dos Brinquedos". Era lá que ele fazia os brinquedos para as crianças com a ajuda dos duendes.

A Mãe Natal, uma senhora alta e gorduchinha, era a sua esposa. Era muito carinhosa e prestável. Adorava crianças e fazia tudo por tudo para as ver felizes. O seu maior talento era cozinhar e todas as pessoas gostavam da comida que ela fazia, especialmente dos seus biscoitos de manteiga.

Todos os Natais, o Pai Natal recebia muuuitas cartas! Mas, naquele Natal branco da neve e verde dos pinheiros, ele recebeu mais cartas do que nos outros anos. Eram montes e montes de cartas. Todas elas pediam presentes, pelo que o Pai Natal ficou com um grande problema para resolver: como fazer tantos presentes a tempo para todas as crianças?! Começou a trabalhar e passou dias e noites, noites e dias a fazer presentes para as crianças, até que começou a ficar exausto.

Faltando já só dois dias para a noite de Natal, ainda estavam metade dos brinquedos por fazer. Foi-se deitar um pouco e pensar numa solução para fazer os brinquedos mais depressa.

Pensou, pensou, até que...

- TRUZ, TRUZ, TRUZ...

O Pai Natal, em sobressalto, levantou-se e foi abrir a porta.

- Olá Pai Natal, nós soubemos que... - começou a dizer em coro um grupo de crianças, logo interrompidas pelo Pai Natal.

- Entrem, entrem, não fiquem aí à porta.

As crianças entraram e sentaram-se nos enormes sofás feitos de pele de lobo. A Mãe Natal serviu-lhes alguns dos seus biscoitos deliciosos com chocolate quente e deu-lhes algumas mantas, pois eles estavam com fome e frio.

- Então expliquem-me lá o que vieram cá fazer.

- Nós soubemos que o Pai Natal estava com problemas em fazer os presentes e a noite de Natal está para vir, pelo que resolvemos vir ajudá-lo. - Disse a Rita, uma menina do grupo de crianças.

O Pai Natal sorriu e exclamou:

- Então, sendo assim, mãos ao trabalho!

As crianças e o Pai Natal foram para a "Oficina dos Brinquedos" onde ainda estavam os duendes. Começaram por fazer carrinhos e comboios de madeira, bonecas de pano, meias, gorros luvas, camisolas feitos de lã e muito mais. Por fim, pintaram.

Chegada a hora da ceia de Natal foram todos para a mesa comer a comida deliciosa que a Mãe Natal fizera: batatas e bacalhau cozido com couves e umas cenouras a acompanhar. No fim uma sopinha de couves quentinha a deslizar pela garganta. Que saborosa! A sobremesa foi tronco de natal, rabanadas, aletria e mexidos - os doces tradicionais do Natal.

Quando já era meia-noite, o Pai Natal pegou no seu saco vermelho cheio de prendinhas e subiu para o trenó.

- Pai Natal... - disse o Gustavo, um dos meninos do grupo -... Podemos ir consigo?

O Pai Natal, com um gesto nobre, fez sinal para eles entrarem no trenó.

As renas começaram a correr até que o trenó ficasse no ar. Em cada casa que passavam atiravam prendas pelas chaminés.

E assim, com a ajuda do grupo de crianças, o Pai Natal conseguiu resolver o seu problema.

 

 

 

 

publicado por SoniaGuerreiro às 10:18
tags:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Dezembro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
14
16

17
19
22
23

24
25
28
30

31


subscrever feeds
Email
ainosccguerreiro@sapo.pt
mais sobre mim
Visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO