03
Jan 07

A ideia de que há brinquedos para meninos e para meninas está ultrapassada e reflecte um preconceito que há muito deveria ter sido eliminado.

A brincadeira e os brinquedos ocupam um lugar essencial na vida de todas as crianças e é desta forma que elas assimilam a realidade e o mundo exterior, construindo o "mundo interno".

É nesta tarefa que ganham confiança, vivem sentimentos e aprendem com os erros e os êxitos. No entanto, muitas vezes a brincadeira e especialmente a escolha dos brinquedos é toldada por preconceitos que, só quando são evidenciados, se tornam reais.

A escolha das cores ou da decoração do quarto, a preferência por este ou aquele brinquedo, levam a que muitas vezes os pais, inconscientemente, separem meninos e meninas.

O preconceito

Porque podem as meninas brincar com os carrinhos ou jogar à bola, e os meninos não podem passear um "bebé" no carrinho?

Na realidade este preconceito vem de há muito tempo, quando os homens praticamente se limitavam a trabalhar e eram as mulheres que cuidavam dos filhos, preparavam a comida, tratavam da roupa... Este conceito, transmitido de gerações em gerações, envolvia as crianças desde muito pequenas e, como cada sexo tem a tendência natural para imitar o seu semelhante, seria difícil encontrar meninos a brincarem com bonecas. Essa "tarefa" estava reservada às meninas.

Mudanças subtis

Mas o "mundo já não é o mesmo de há uns anos" e hoje em dia as mulheres têm uma vida profissional muito mais activa. Logo, os exemplos que as crianças observam e adquirem, são também diferentes.

Hoje em dia, ninguém se espanta quando se vê um pai a vestir ou a pentear o filho ou até a mudar-lhe publicamente a fralda. Cuidar de um filho tornou-se uma tarefa repartida que também os meninos observam e assimilam como sendo dos homens. Então, se o papá veste a roupinha do bebé, porque não pode ele fazer o mesmo com a boneca?

Algumas diferenças

Os homens têm tendência para serem mais práticos. Isto significa que, quando lhes é destinada, por exemplo, a tarefa de vestir a criança, se limitam a tal. Pegam numas calças, numa t-shirt, num par de ténis... e já está.

As mulheres, pelo seu lado, reparam mais nos pormenores, o que as leva a combinarem cores, a escolherem acessórios... Daí que muitas vezes se oiçam algumas reclamações ao trabalho realizado pelo papá (muito orgulhoso porque vestiu a sua menina...), por parte da mamã que tem um sentido estético mais elaborado.

Dar tempo ao tempo

Estas experiências com todos os tipos de brinquedos continuarão até à idade em que as crianças se começam a identificar com o seu sexo e começam a querer comportar-se como homens e mulheres. Sem serem obrigados a tal comportamento, os meninos são atraídos para brincadeiras mais movimentadas e de contacto físico, enquanto as meninas seguem outro caminho, com atitudes e brincadeiras mais calmas.

Esta divisão deve-se a factores naturais e característicos de cada sexo. Outro factor também bastante importante é o facto da necessidade de serem aceites em grupo, pelo que cada um brinca de acordo com as tendências do seu grupo de amigos. Os meninos jogam à bola e as meninas juntam-se em grupinhos para brincar com as suas barbies.

As crianças aprendem dia-a-dia e necessitam de experimentar para saberem se obtêm a aprovação da mamã e do papá. Como tal, cabe aos seus modelos, facilitarem-lhe todos os instrumentos para que aprendam. Antes de classificar o comportamento como "pouco próprio de um menino" ou de "uma menina", observe-os.

Certamente irá encontrar naquela brincadeira, situações e exemplos que lhe deu na vida real e que a criança transportou para o seu imaginário. A verdade é que assimilou mais um conhecimento e não é razão para preconceitos.

publicado por SoniaGuerreiro às 19:46

Janeiro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
17
18
19
20

21
22
24
25
26

28
30
31


Email
ainosccguerreiro@sapo.pt
mais sobre mim
Visitas
blogs SAPO