10
Set 07

Porque será que existem pessoas que nunca chegam a horas?

A maioria dos portugueses considera-se pontual, mas acusa todos os outros de chegarem sempre atrasados aos compromissos. Apesar de paradoxal, é esta a conclusão do maior estudo realizado em Portugal sobre a pontualidade (e a falta dela), promovido pela AESE, Escola de Direcção e Negócios e pela Ad Capita Executive Search.

A maior parte dos inquiridos (86,6 por cento) considera-se pontual tanto na sua vida pessoal como profissional, mas apenas 5,4 por cento concorda que os portugueses, de um modo geral, cumprem horários. Metade dos inquiridos (50,1 por cento) refere mesmo que raramente ou nunca chegamos a horas.

Os portugueses sabem que não são pontuais (apesar de individualmente não se reverem na tendência geral) e isso não será a grande novidade deste estudo, como os próprios autores referem. O desafio está em não nos deixarmos levar pela inércia instalada ou por argumentos fatalistas de que somos mesmo assim e mudar de atitude.

Se for o seu caso, inspire-se no rigor britânico, suíço ou alemão e siga as nossas pistas para alterar este seu (mau) hábito.

Sejamos realistas, ninguém consegue chegar sempre atrasado a não ser que se esforce para tal.

Se todos os dias chega tarde aos seus compromissos, porque apanhou mais trânsito que nunca ou o elevador parou em todos os andares até chegar ao seu, talvez não esteja a ser muito sincera acerca do verdadeiro motivo que a leva a chegar atrasada e, provavelmente, já toda a gente reparou nisso.

A verdade é que, muitas vezes, ser ou não ser pontual é uma opção. Somos nós que escolhemos ignorar o despertador e o alarme sonoro do telemóvel e clicar no snooze até ser realmente tarde para estar na cama.

Se por vezes o trânsito na cidade está caótico, passe a sair de casa mais cedo para garantir que chega a horas. Se está realmente sujeita a chegar tarde, porque o elevador pára em todos os andares até chegar ao do seu escritório, pense em sair da cama um pouco antes.

Agora, se escolher continuar uma conversa de circunstância com a vizinha, apesar de estar atrasada mais vale assumir e deixar-se de desculpas esfarrapadas. Assim não dá tanto nas vistas e com sorte ninguém repara...

 

In Sapo Mulher

publicado por SoniaGuerreiro às 11:12

16
Jul 07
Palíndromos podem ser palavras ou números que são iguais quando lidos de frente para trás e de trás para frente. Alguns exercícios de análise combinatória envolvem palíndromos. Aqui, só por curiosidade, mostro alguns palíndromos.            

ALÔ BOLA
AME O POEMA
AMOR A ROMA
ANA
ANOTARAM A DATA DA MARATONA
ANOTARAM A MARATONA
APÓS A SOPA
ASSIM A AIA IA A MISSA
  ATÉ O POETA
  AULA É A LUA
  A BABÁ BABA
  A DIVA EM ARGEL ALEGRA-ME A VIDA
  A DROGA DA GORDA
A MALA NADA NA LAMA
A TORRE DA DERROTA
  EVA ASSE ESSA AVE
  LUZ AZUL
  LUZA ROCELINA, A NAMORADA DO MANUEL, LEU NA MODA DA ROMANA: ANIL É COR AZUL
  ÓDIO DO DOIDO
  OI RATO OTÁRIO
  OSSO
  OTO COME MOCOTÓ
  OVO
  O CASACO
  O CÉU SUECO
  O DEDO
  O GALO AMA O LAGO
  O LOBO AMA O BOLO

  O GALO NO LAGO
  O MITO É ÓTIMO
  O ROMANO ACATA AMORES A DAMAS AMADAS E ROMA ATACA O NAMORO
  O VÔO DO OVO
  MIRIM
  MORRAM APÓS A SOPA MARROM
  MUSSUM
  RADAR
  RENNER
  REVIVER
  RIR, O BREVE VERBO RIR
  ROMA É AMOR
   ROMA ME TEM AMOR
  SAIRAM O TIO E OITO MARIAS
  SÁ DA TAPAS E SAPATADAS
  SOCORRAM-ME SUBI NO ÔNIBUS EM MARROCOS
  SUBI NO ÔNIBUS

  VIVIANA AMA ANA IVIV
  ZE DE LIMA RUA LAURA MIL E DEZ

           
publicado por SoniaGuerreiro às 12:00

15
Jul 07

Sabia que o pão já existia 10.000 anos antes do nascimento de Cristo? E que já se faziam pipocas 3.600 anos antes do início da nossa Era? Ou ainda que os hambúrgueres já se comiam no século XIV? O Comezainas preparou para si uma viagem através do tempo, em que mostra a história dos alimentos até aos anos 60 do século XX. Venha saber mais sobre a origem dos alimentos que, a cada dia, entram na sua dieta alimentar. E, depois de tanta fartura, nada como o bom Alka-Seltzer de 1931, não lhe parece?

Introdução

Todos necessitam de combustível para sobreviver, mas os seres humanos são os únicos seres vivos que aliam os gostos às simples necessidades nutricionais. Embora todos os animais se alimentem, apenas o Homem cozinha os alimentos. Deste modo, a culinária transforma-se num símbolo da nossa humanidade, algo que nos distingue do resto dos elementos da natureza.

A alimentação transformou-se rapidamente num dos muitos rituais comuns aos seres humanos, variando de cultura para cultura, mas assumindo, quase sempre, uma actividade de grupo.

O Homem, enquanto elemento do ecossistema, necessita de comida, e os seus hábitos alimentares variam em função do que o meio que o rodeia lhe pode oferecer. Contudo, também os seres humanos foram determinantes na evolução dos alimentos, seja pela selecção e domesticação de espécies animais e vegetais, seja pelo desenvolvimento de todos os métodos e instrumentos necessários à sua transformação para a dieta humana. O culminar de todo este processo é, sem dúvida, a proliferação dos alimentos transgénicos e a crescente uniformização dos hábitos alimentares dos povos.

Antes da Era Cristã

10.000 a.C. – Primórdios da Agricultura; cultivo de cereais e fabrico rudimentar de pão; sal, peixe e arroz já são usados na alimentação;

8.000 a.C. – lentilhas;

7.000 a.C. – feijões;

6.500 a.C. – Domesticação generalizada do gado, embora já existisse gado caprino e porcino doméstico desde 9.000 a.C. e 7.000 a.C. respectivamente;

6.000 a.C. – queijo e milho;

5.500 a.C. – mel e açúcar de cana;

5.000 a.C. – azeite e abóboras;

4.000 a.C. – uvas, laranjas e melancias;

3.600 a.C. – pipocas;

3.200 a.C. – domesticação das galinhas;

3.000 a.C. – sopa, cevada, cenouras, ervilhas, favas, cebolas, pimenta;

2.800 a.C. – rebentos de soja;

2.700 a.C. – chá;

2.600 a.C. – cogumelos;

2.500 a.C. – batatas;

2.000 a.C. – alfarroba;

1.500 a.C. – amendoim e chocolate;

1.000 a.C. – pepino e pickles;

900 a.C. – tomates verdes;

600 a.C. – couves;

500 a.C. – salsichas e alcachofras;

400 a.C. – pasta e beterraba;

300 a.C. – bananas;

200 a.C. – espargos;

65 a.C. – marmelos.

Depois de Cristo

100 d.C. – mostarda, pudins, morangos, alcaparras, nabos, gelado;

200 d.C. – sushi;

600 d.C. – beringela;

700 d.C. – espinafres

900 d.C. – bacalhau;

1.000 d.C. – nêsperas;

1.300 d.C. – introdução do açúcar em Inglaterra, a partir do Médio Oriente; hambúrgueres e waffles;

1.500 d.C. – agrião e panquecas; lagosta, perú, abacate (entre outros) começam a ser trazidos do Novo Mundo para a Europa;

1484 d.C. – cachorro quente;

1493 d.C. – introdução de ananás na Europa;

1517 d.C. – introdução de batata doce na Europa;

1529 d.C. - introdução de baunilha na Europa;

1544 d.C. - introdução de tomate na Europa;

1554 d.C. – queijo Camembert;

1615 d.C. – introdução de café na Europa;

1.800 d.C. – batatas fritas e bolachas de água e sal (crackers);

1747 d.C. – açúcar de beterraba;

1756 d.C. – maionese e molho tártaro;

1762 d.C. – sanduíches;

1765 d.C. – 1.º restaurante do mundo abre em Paris

1767 d.C. – água com gás;

1819 d.C. – spaghetti;

1830 d.C. – refrigerantes;

1850 d.C. – marshmallows;

1856 d.C. – leite condensado;

1868 d.C. – molho Tabasco;

1869 d.C. – sopa enlatada Campbell;

1870 d.C. – margarina;

1876 d.C. – Heinz Ketchup;

1886 d.C. – Coca-Cola;

1889 d.C. – Pizza (como a conhecemos hoje em dia);

1890 d.C. – manteiga de amendoim e chá Lipton;

1896 d.C. – Chop Suey;

1906 d.C. – atum em lata;

1904 d.C. – banana split;

1905 d.C. – chupa-chupas;

1906 d.C. – Corn Flakes Kellogg’s;

1913 d.C. – Bolachas Oreo;

1917 d.C. – Donuts e Vichyssoise;

1924 d.C. – comida congelada;

1936 d.C. – barra de chocolate Mars;

1938 d.C. – Nescafé (1.º café solúvel instantâneo);

1941 d.C. – M&Ms;

1955 d.C. – 1.º Restaurante MacDonald’s;

1959 d.C. – gelado Haagen-Dazs;

publicado por SoniaGuerreiro às 22:36

09
Jul 07

Pessoas são incapazes fazer cócegas no próprio corpo (propositalmente) porque o cérebro prevê seus movimentos antes que eles aconteçam, excluindo a sensação de perigo e pânico que provoca as cócegas. Quando alguém nos cutuca, o corpo reage, tornando-se tenso. Já quando tocamos o próprio corpo, ele não demonstra reação. Algumas pessoas nunca o contraem pelo toque de outros e portanto não sentem cócegas. Resultados de pesquisas feitas por um grupo de cientistas da Universidade de Londres indica que o cerebelo é o responsável pelo monitoramento dos movimentos, impedindo a reação.

publicado por SoniaGuerreiro às 23:16

05
Jul 07

Quando os crocodilos comem uma presa, eles a engolem sem mastigar. Para isso, abrem a boca de tal forma que ela comprime a glândula lacrimal, localizada na base da órbita, o que faz com que os répteis lacrimejem. A partir dessa observação, passou-se a dizer que as pessoas que choram sem razão, ou por fingimento, derramam lágrimas de crocodilo.

publicado por SoniaGuerreiro às 22:48

Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Email
ainosccguerreiro@sapo.pt
mais sobre mim
Visitas
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO