02
Dez 07
É o termo usado para definir um dos vícios de linguagem. Consiste na repetição de uma idéia, de maneira viciada, com palavras diferentes, mas com o mesmo sentido.

O exemplo clássico é o famoso 'subir para cima' ou o 'descer para baixo'. Mas há outros, como podes ver na lista a seguir:

- elo de ligação
- acabamento final
- certeza absoluta
- quantia exata
- nos dias 8, 9 e 10, inclusive
- juntamente com
- expressamente proibido
- em duas metades iguais
- sintomas indicativos
- há anos atrás
- vereador da cidade
- outra alternativa
- detalhes minuciosos
- a razão é porque
- anexo junto à carta
- de sua livre escolha
- superávit positivo
- todos foram unânimes
- conviver junto
- facto real
- encarar de frente
- multidão de pessoas
- amanhecer o dia
- criação nova
- retornar de novo
- empréstimo temporário
- surpresa inesperada
- escolha opcional
- planejar antecipadamente
- abertura inaugural
- continua a permanecer
- a última versão definitiva
- possivelmente poderá ocorrer
- comparecer em pessoa
- gritar bem alto
- propriedade característica
- demasiadamente excessivo
- a seu critério pessoal
- exceder em muito .

Nota que todas essas repetições são dispensáveis.
Por exemplo, 'surpresa inesperada'. Existe alguma surpresa esperada?  É óbvio que não.
Devemos evitar o uso das repetições desnecessárias. Fica atento às expressões que utilizas no seu dia-a-dia.
Verifica se não está a cair nesta armadilha.
publicado por SoniaGuerreiro às 20:55

Mais um fim de semana que se passou, passam num instante!
Mas este foi bem diferente dos outros, só petiscos. Na sexta, fomos petiscar a casa da mana Isa Jorge , que fizeram uns petisquinhos maravilhosos, estava tudo muito bom.
E ontem aventuramo-nos a assar um leitão em casa, o Juca é que teve o trabalho, mas quem o provou disse que estava muito bom, e por acaso até estava.
Domingo é dia mais caseiro!
publicado por SoniaGuerreiro às 19:27

Tempo de gripe: doença quase inevitável no Inverno

Com a chegada dos dias mais frios, são poucas as pessoas que conseguem fugir à habitual gripe, que já parece uma inevitabilidade do Inverno.

Com a chegada dos dias mais frios, são poucas as pessoas que conseguem fugir à habitual gripe, que já parece uma inevitabilidade do Inverno. Mas não é. E para lhe escapar há que ter muita cautela e não esquecer a prevenção.

A gripe é uma doença viral aguda causada pelo vírus influenza do qual se conhecem três tipos – A, B e C. Apenas os vírus A e B provocam doença com significativo impacto na Saúde Pública.

«A gripe é transmitida de pessoa para pessoa pelas vias aéreas e pode durar entre três a sete dias, sendo o tratamento principalmente sintomático», explica o Dr. Eduardo Mendes, presidente da Associação Portuguesa de Médicos de Clínica Geral.

As gripes e as constipações são as doenças mais comuns entre os seres humanos. Os adultos podem contrair duas a cinco cons­tipações por ano, ao passo que as crianças em idade escolar podem ser afectadas sete a 10 vezes.

A gripe, por seu turno, atinge todos os anos milhões de pessoas, podendo assumir um carácter epidémico.

Doença contagiosa

«Normalmente», assegura este médico, «cada pessoa só é afectada pela infecção gripal uma vez por ano».

Apesar de a sintomatologia destas duas doenças ser semelhante, «na gripe podemos esperar que a febre seja mais elevada, a presença de mialgias intensas (dores musculares) e não é frequente existirem sintomas oculares e espirros», diz o mesmo especialista.

A gripe é uma doença muito contagiosa, que ataca as vias respiratórias (nariz, garganta e pulmões). O vírus é transmitido através das secreções respiratórias e tem um período de incubação médio de dois dias. O período de transmissão decorre desde um a dois dias antes do aparecimento dos sintomas até sete dias depois.

«O indivíduo enfermo deverá repousar, evitar o álcool, procurar alimentar-se bem e ingerir muitos líquidos, além de usar medicações para a febre e para a dor (tratamento sintomático) – antipiréticos e analgésicos», aconselha Eduardo Mendes, que acrescenta:

«Podem, também, ser usados descongestionantes nasais para a melhoria dos sintomas nasais. Quando os sinais da gripe têm menos de dois dias, o doente poderá discutir com o seu médico de família a possibilidade e vantagem de adoptar um tratamento antiviral (tratamento diri­gido).»

Não há gripe sem tosse e são vários os inconvenientes que a tosse acrescenta: dores de garganta, no peito, dificuldade em engolir, sensação de sufoco… Mas trata-se de um mal que vem por bem.

Como esclarece este médico, «a tosse começa quando parte das vias aéreas do pulmão ficam inflamadas ou irritadas e é um reflexo básico que procura remover o agente irritante».

Tosse irritativa (seca) ou produtiva (torácica).

«A tosse torácica é a forma de o organismo expulsar o muco (viscoso) que surge nos pulmões. E para o expulsar e aliviar a tosse, pode ser necessário fluidificá-lo através da ingestão de fluidos, o que torna a tosse mais “produtiva” (com um muco menos espesso)», sustenta Eduardo Mendes, que distingue:

«Por sua vez, a tosse seca ou irritativa é causada pela inflamação das vias aéreas superiores e pode ser devido a poeiras, corpos estranhos ou a uma infecção da garganta, sem a presença de muco no tórax.»

In Sapo Saúde
publicado por SoniaGuerreiro às 19:24
tags: ,

Dezembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
14
15

16
17
21
22

23
24
25
28
29

30
31


subscrever feeds
Email
ainosccguerreiro@sapo.pt
mais sobre mim
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO